segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Houston, nós temos uma nova história

Fala galera! Terminou a temporada 2016/2017 da liga norte-americana de futebol americano, a NFL. Para os fãs da bola oval, um espetáculo inigualável, um jogo que começou de uma forma, foi definido ainda no intervalo – que teve uma performance memorável de Lady Gaga – e encerrou de outra, já com muitos fãs dormindo com a certeza de que Matt Ryan levaria seu primeiro anel de campeão.

Atropelo dos Falcons

Depois de um primeiro quarto zerado, com as defesas prevalecendo ante os principais ataques da liga. No segundo os Falcons contou com a força de Devonta Freeman para furar os bloqueios, quebrar tackles e abrir o placar. Não demorou muito e Matt Ryan achou Austin Hooper atrás da defesa, marcando o segundo TD para o Atlanta, para desespero de Tom Brady.

Acha que era muito pra finalizar o primeiro tempo? Está enganado.

Faltando pouco mais de dois minutos para o fim do período, o quarterback dos Patriots tentou um passe pelo meio da defesa do adversário, Robert Alford interceptou na linha de 18 jardas, correu até a end zone e abriu 21x0, um resultado surpreendente. New England ainda teve tempo de fazer um field goal no último lance do primeiro tempo, levando o jogo para o intervalo com uma ingrata diferença de 18 pontos.

Matt Ryan começou o terceiro período com a mesma precisão do anterior, e com quatro minutos de bola rolando deu um passe para Tevin Coleman ampliar o marcador, alcançando a fantástica marca de 25 pontos de frente, diferença que em toda a história do evento, nunca havia sido revertido.

O peso do camisa 12

Mas do outro lado existia um Tom Brady com as bênçãos de James White e Julian Edelman, e quando esses três estão inspirados, o jogo só acaba no apito final. Ainda no terceiro período White correu para marcar, diminuindo a distância, mas a fase era tão complicada que Stephen Gostkowski errou o extra point.

Perdendo de 28x9, o New England foi obrigado a acelerar as jogadas, com Brady abusando de passes curtos atrás da linha de scrimmage, o time foi avançando, e deixou a bola em condição para mais um field goal de Gostkowski, que se redimiu do erro anterior. Na metade do último período o placar mostrava 28x12 pros Falcons e isso fez com que muitos torcedores fossem dormir aqui no Brasil, azar o deles...

Após uma campanha de cinco jogadas, Tom Brady achou Danny Amendola próximo à end zone e a diferença caia para oito pontos apenas, já que James White converteria os dois pontos extras. Restava pouco tempo e os Patriots jogariam a vida por uma posse de bola apenas, mas antes tinham que parar Matt Ryan.

O poderoso ataque dos Falcons não marcava há mais de 15 minutos, um field goal daria a eles o tão sonhado título, e na base dos passes curtos e das corridas, a equipe chegou a uma posição que lhe permitia o chute, só que ainda tinha tempo no relógio e jogadas a serem feitas, é aí que o jogo muda.

Após o snap do Atlanta, Trey Flowers fura o bloqueio e saca o camisa 2 vermelho, o que era uma segunda pra 11 jardas, se transforma em uma terceira para 23. Pra atrapalhar ainda mais, o Atlanta comete uma falta e volta mais 10 jardas, tornando impossível a tentativa do field goal. Esses três pontos farão falta lá na frente, acreditem.

Faltando 3min40 a história começava a ser escrita. Brady começa a campanha na linha de nove jardas do campo defensivo, avança descida por descida, no meio dessa loucura ainda tivemos uma recepção mágica de Julian Edelman em uma jogada que poderia dar fim ao sonho do penta, e após 10 jogadas, somando um total de 91 jardas, James White, sempre ele, faz seu segundo touchdown na partida, mas ainda era preciso a conversão dos dois pontos. O Atlanta se preparou para conter o avanço por terra, mas o camisa 12 optou por Amendola no jogo aéreo, empatando tudo, 28x28, Atlanta ainda teria uma chance, mas sem sucesso.

Uma campanha para a glória

A primeira prorrogação da história do Super Bowl foi rápida, certeira, e ficará gravada nos livros da liga. Com 3 minutos e 58 segundos de campanha, Thomas Edward Patrick Brady Jr, se transforma no maior vencedor da história da modalidade, superando Joe Montana, que conquistara o anel em quatro ocasiões. O desfecho saiu das mãos de James White, que marcou seu terceiro touchdown na partida, e levou o placar para 34x28, a maior virada da história das decisões.

O marido de Giselle Bündchen se torna o primeiro a superar a marca de Montana e mais do que nunca, a história de Tom Brady se mistura com a história da equipe de Massachusetts e de Bill Belichick, o treinador da maior dinastia da NFL, uma das maiores da história do esporte norte-americano.

Dizer que com esse título Brady o transforma no maior jogador da história, pode parecer “chover no molhado”, mas diante das transformações que o esporte sofreu ao longo dos anos, posso afirmar que ele é o melhor dessa era e um dos melhores de toda a história. Colocá-lo à frente ou atrás de Joe Montana, é o mesmo que tentar equiparar Pelé e Messi, impossível. São dois ETs, insuperáveis dentro de suas gerações, e que estarão juntos no Hall da Fama em breve.


E para nós, só resta agradecer por teremos nascido nessa época, pude acompanhar o fim da carreira da Montana e toda a carreira de Brady, e posso dizer que eles foram dois dos grandes nomes que me fizeram apaixonar pela bola oval.

Link com os melhores momentos da partida
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...