domingo, 10 de janeiro de 2016

Suspense, vitória e alívio

Juiz de Fora, 10 de janeiro de 2015, Ginásio da Faefid. O JF Vôlei, então sob a alcunha de UFJF, vence o Sesi de Murilo, Lucarelli, Marcelinho, Serginho e mais "trocentos" selecionáveis por 3x2 e entra de vez na briga pelos playoffs, foi o jogo que "virou a chave" e mostrou do que aqueles jogadores eram capazes.

Um ano depois, ou sendo mais preciso, 364 dias depois, dia 9 de janeiro de 2016, no mesmo ginásio, o JF Vôlei entra em quadra contra o Voleisul/Paquetá, até então foram 11 partidas da equipe mineira, 11 derrotas, a lanterna da competição, e o risco de rebaixamento é iminente.

Mesmo com perdendo todas, o time se portava bem em quadra, fazia jogos duros, mas algo acontecia na hora de fechar o jogo, faltava alguma coisa que a virada de 2015 para 2016 apagou. Com o dedo do treinador Alessandro Fadul, o JF Vôlei atacou bastante, defendeu como nunca, fez bloqueios inimagináveis e acima de tudo, sacou, sacou como "gente grande", e venceu, mais do que isso, convenceu.

O JOGO

Usando a mesma formação dos jogos anteriores, a equipe de Juiz de Fora entrou com Maurício, Renato, Djalma, Leandrão, Igor, Diego e Fábio Paes. Já o Voleisul iniciou com Rafinha, Jonatas, Mão, Franco, Robinho (que já jogou em Juiz de Fora), Acácio e Thales.

No primeiro set, equilíbrio do início ao fim, com as equipes revezando na liderança. Na parte final do set, Paulo Roese fez a inversão do 5x1, sacando Rafinha e Franco e colocando Renan Santos e Bernardo. Era o que o time da casa precisava para fechar o set. A mexida deu errado e o JF fechou em 25x23, um set que durou 33 minutos e após o término teve uma discussão entre o levantador e capitão, Rafinha, e o árbitro da partida.


Quase nada de diferente no segundo set, nem mesmo o problema do Voleisul quando faz a inversão do 5x1. Um set que começou com um cartão amarelo para Rafinha, terminou com os visitantes na frente após Roese desfazer a inversão. 25x20 em 29 minutos, e o placar aponta 1 set para cada lado.

Nos set seguinte o equilíbrio e as mexidas seguiram a mesma linha, salvo pela entrada de Ninão no lugar de Igor, na metade da parcial. A mudança deu um novo gás para os locais que por muito pouco não fecharam a parcial, perdida por 27x25 em 37 minutos. O trauma se repetia, o placar apontava 2x1 para o Voleisul.

Já com Ninão desde o início, e com Renato em sua pior partida desde que chegou a Juiz de Fora, o 4º set foi mais um teste para cardíaco. Com o bloqueio fechado e bons saques, os donos da casa fecharam em 25x23, uma parcial que durou 26 minutos, empatou o jogo em 2x2 e garantiu mais um ponto na tabela.

Após a conclusão do set, o treinador do time gaúcho se enervou e chutou uma placa, as mesmas foram de encontro a uma torcedora que assistia a partida logo atrás do banco dos visitantes. Um início de confusão, torcida querendo entrar em quadra para tirar satisfação, jogadores tentando separar. Com os ânimos resfriados, Roese foi até a torcedora, pediu desculpas e levou um cartão vermelho da arbitragem, o que garantiu o primeiro ponto do tie-break para o adversário.



Juiz de Fora dominou o set final. Ninão chegou ao seu sétimo ponto de bloqueio na partida, fez ponto de saque, foi "o cara do jogo". Pra fechar, uma paulada de Renato na diagonal curta. JF 15x11, 3x2 no placar, a primeira vitória, para alívio de torcedores, jogadores, treinador e diretoria. Festa nas arquibancadas, hora de respirar.

TROFÉU VIVA-VÔLEI


Foto: Acesso Comunicação Júnior
Apesar da partida irregular, Renato levou o Viva-Vôlei como melhor em quadra. Alessandro Fadul explicou a escolha:

- Renato fez um primeiro turno excelente, merece o prêmio pelo conjunto da obra. Ele tem uma lesão no menisco, no joelho, não sei nem como ele está suportando. O prêmio hoje foi por isso, apesar de não ter rendido hoje o que ele vem rendendo. Por tudo o que vem fazendo, ele merecia o prêmio.

O jogador fez coro ao treinador da equipe:

- Não acho que fiz um grande jogo, contribuí em algumas ações, mas não fiz um grande jogo. Acho que o troféu foi pra premiar o que eu vinha fazendo no primeiro turno. Agradeço pela confiança do professor de ter me mantido na partida mesmo assim. Sobre a minha lesão, ela já vem me atrapalhando a algum tempo, mas eu não desisto nunca. Se eu tiver que entrar em quadra com uma perna, eu vou entrar.

A CONFUSÃO

Paulo Roese explicou a confusão do final do 4º set e mais uma vez se desculpou com a torcida:

- Eu chutei uma placa sem querer, fui lá e pedi desculpas, isso não é da minha índole. Vinhamos de um quarto set horroroso e errei, só tenho a lamentar, isso não vai acontecer novamente.

Ele também comentou sobre a inversão do 5x1 que prejudicou a equipe em momentos decisivos:

- A inversão atrapalhou, mas se você ver os outros jogos, estava dando certo. Contra o Montes Claros não jogaram nem o Franco e nem o Rafa e deu certo, jogaram Renan e Bernardo e ganhamos o jogo.

FICHA TÉCNICA

JF Vôlei 3 x 2 Voleisul/Paquetá
Ginásio da UFJF - Juiz de Fora (MG)
Troféu Viva-Vôlei: Renato (JF Vôlei)

JF Vôlei: Maurício, Igor, Diego, Leandrão, Renato, Djalma e Fábio. Entraram: Tatinho, Felipe, Tárik, Thiago Maciel e Ninão

Técnico: Alessandro Fadul

Voleisul/Paquetá: 
Rafinha, Jonatas, Mão, Franco, Robinho (que já jogou em Juiz de Fora), Acácio e Thales. Entraram: Bernardo, Renan Santos, Nicolas e Composto.
Técnico: Paulo Roese
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...