sexta-feira, 31 de julho de 2015

Donizete Pantera e a saga do índio Popó

Fala galera!

Hoje tô aqui pra contar mais um "causo" do futebol brasileiro. O protagonista é o ex-atacante Donizete Pantera. Ou melhor, o protagonista mesmo é o Índio Popó, Donizete não passa de um coadjuvante na história. Esse causo ganhou fama recente após uma entrevista do Pantera, no quadro "Cara a Tapa" do Rica Perrone, que pode ser visto na íntegra aqui (o caso do Índio começa aos 3 min.).

“Fui jogar na Amazônia [em Manaus, pela Seleção Brasileira]. A gente foi treinar num lugar simplesinho, perto da selva, lugar bem fechado, uma mata lá, aí quando fui pegar a bola apareceu um índio de repente. Moleque, tinha uns 18 anos. [Pensei:] pô, índio quer matar o ‘Pantera’. Fiquei meio cabreiro. Ele veio, gostou de mim pra caramba:

- Oi, índio, tudo bom?
- Tudo bom (falava meio estranho).
- Que que você tá fazendo aí?
- Quero jogar futebol.
- Pô, mas agora num dá pra jogar. Vai lá no Vasco.

Chegando lá no hotel, quem tava lá? O índio. De novo. Chegou primeiro que eu, já mais arrumadinho, só com uma tanguinha. Com a flecha daqui pra cima. Ele chamava Popó:

- Popó, aqui não dá pra treinar, não. Tem que ser lá no Rio [de Janeiro]. Mas vai lá. Depois te dou uma moral.

Aí beleza, jogamos, acho que foi 1 a 0, ganhamos lá. Tô no Rio, na outra semana ia jogar o clássico Flamengo e Vasco, eu no hotel, dormindo, meia-noite, sonhando com o clássico, desesperado e toca o telefone da recepção:

- Donizete?
- O que que foi?
- Cara, tem um índio aqui, rapaz. Tá no portão e disse que só sai daqui quando tu chegar.
- Caraca, tá maluco. Como é que esse índio chegou aqui?
- Ele tá só de tanguinha, com uma fecha, arco e fecha e com uma sacola e falou que só entrega pra você aqui no Rio, lá em São Januário.
- Rapaz, tem como você pelo amor de Deus colocar ele num hotel pra mim? Segunda-feira eu tiro ele, não deixa ele sair, não.

Ganhamos do Flamengo, 2 a 1. Falei: ‘menos mal, ganhamos do Flamengo, tamo com moral, todo mundo de bom humor, o [técnico Antônio] Lopes. Aí pegamos o índio. Chegou lá [em São Januário], tá o Lopes na preleção, chega o índio, de tanguinha:

- Que é isso aí, rapaz?
- Doutor, é uma longa história, esse índio aí ele tem que jogar aqui no Vasco.
- Por que que ele tem que jogar no Vasco?
- Pro índio casar, para ele ficar com uma moral com a noiva dele, na selva, sei lá, na turma dele, ele tinha que jogar no Vasco pra casar. Ô Lopes, dá uma moral pro cara aí, só pra ele correr um pouquinho.
- Cê tá maluco, Donizete. Como é que eu vou botar o índio pra jogar? Vai lá falar com o Eurico.

Então, eu vou… Cheguei lá, o Eurico gosta de um charutinho, a fumaça tava vindo por debaixo da porta. Faleu: ‘meu Deus do céu, Jesus, deixa eu entrar com o índio Popó’. Bati na porta:

- Que que foi?
- É o Donizete, Doutor.
- Cê não tinha que estar treinando?
- Tá, mas eu queria falar sério com o senhor.
- Então entra aí.

E foi o índio primeiro:

- Que é isso aí, rapaz?
- Deixa eu falar, Doutor: pro índio casar e ficar com moral na aldeia, ele tem que jogar um pouquinho no Vasco (ele veio de avião da FAB, avião cargueiro).
- Rapaz, como é que vou fazer pra colocar esse cara pra treinar?

Como o Eurico é supersticioso, eu falei:

- Doutor, se o índio não treinar, sabe que índio tem aqueles negócios, aquelas doideiras, se ele não treinar vai dar ruim pra gente.
- Então vai lá, bota o índio pra treinar.

Aí o Lopes fez um [treino] dois toques pra colocar ele. Colocamos a roupa do Vasco nele:

- Popó, a chuteira, põe a chuteira.
- Índio Popó não joga de chuteira, joga descalço.

Aí ele jogou. Edmundo lá, mas ele não conseguia pegar na bola direito, ele era muito ruim, mas ele corria bem, porque corria atrás de pantera, era rápido, aí a gente deixou ele fazer um golzinho, ele vibrou, ficou apaixonado. Levei ele no aeroporto, ficou todo bobo. Não sei como ele tá hoje, se tá com moral na selva. Nunca mais vi o índio Popó.”

A história é sensacional, vale a pena conferir o vídeo (a partir dos 3 min.) com a narração do Pantera, é hilário:


Até a próxima!
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...