terça-feira, 23 de junho de 2015

Trair or not trair

Fala galera! Vou contar pra vocês uma estória (será que escrevi isso certo?) que aconteceu no fantástico mundo do futebol nos últimos dias. Um jogador chamado Moicano Moura jogou por muitos anos no Mulambento, por lá ele foi campeão de muitos campeonatos, se tornou ídolo, capitão, virou herói. Além disso o jogador torcia pelo Mulambento quando criança, tornando tudo mais fácil.

No fim da temporada ele procurou a diretoria do clube para renovar seu salário por mais uma temporada, já eram 10 naquele clube, mas por mudanças de postura na gestão do clube chegaram a um consenso de que o jogador não poderia continuar com o salário que recebia, então era hora de buscar um novo clube. Foi feita uma partida de despedida para o ídolo, que jurou amor eterno ao clube.

O destino de Moicano era os Estados Unidos, por lá jogaria no Gorducho Lauderdale, receberia um bom salário e começaria uma nova fase da carreira, com mais qualidade de vida e como capitão e ídolo de um time histórico nos Estados Unidos, que hoje está sendo reestruturado para voltar aos tempos de glória. Moicano fez algumas partidas, quase nenhuma com boa performance, mas ao que parecia ele estava feliz por lá e os torcedores e diretores confiavam nele para o desenvolvimento do time.

Meses depois o Frunimed começou um namoro com o jogador, pelo menos é o que os jornais diziam, mas nada se concretizou. Alguns dias depois o presidente do Viceíno, Eumico Merouba, anunciou em entrevista coletiva a contratação de Moicano. Pronto... era o início do turbilhão de comentários nas redes sociais...

Torcedores do Mulambento ironizavam o rival e criticavam o ídolo, chamando-o de traíra, torcedores viceínos ironizavam os rivais e diziam que o respeito voltaria. Talvez sob pressão, talvez porque realmente não tinha nada certo, mas Moicano Moura anunciou que não tinha acerto e que não jogaria no Viceíno.

O resultado disso tudo não dá pra prever, mas eis minha opinião definitiva sobre o caso:

Moicano tinha todo o direito de jogar onde quisesse sem ser taxado de traíra, ele é profissional, vive do futebol, e tem que dar o máximo para quem paga seu salário, independente de qual time seja. Amor à camisa? Raros são os exemplos hoje em dia... Ele não saiu do Mulambento porque quis, saiu porque não o quiseram, e nada mais justo que buscar o que for melhor pra ele. O Viceíno era uma das boas opções? Óbvio que sim, nada melhor que comprar uma ação na baixa.

Palhaçada de quem o acusou de trairagem, ele não é obrigado a jogar onde não o querem, e mais, no futebol de hoje sabemos bem que o jogador só serve enquanto tá produzindo, parou de render, já era... torcedor não tem paciência pra nada.

Moicano Moura tem todo o direito de decidir seu futuro, e os torcedores, sejam eles do Mulambento, do Viceíno ou qualquer outro, tem o direito de ficarem calados, sem mais.

Fui!

* Essa é uma história de ficção, qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...