quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Senna x Prost, o maior duelo da história da F1

Fala galera! Em mais um dia do nosso Especial Fórmula 1 que contempla o final da temporada 2014 da categoria, vamos falar do que provavelmente é o maior duelo da história do automobilismo. Nunca, em categoria alguma, vi uma rivalidade como a que tiveram Ayrton Senna e Alain Prost entre os anos de 88 e 91 e ainda em 93. Foram 5 temporadas intensas!

Em 1988, quando Ayrton saiu da Lotus rumo à McLaren, Prost já era bicampeão do mundo e já contava com 19 vitórias no cockpit da escuderia de Ron Dennis. Exceto em sua primeira temporada pelo time inglês. em 1984, quando perdeu o título por 0,5 para Niki Lauda, também da McLaren, o francês sempre "sobrou" em cima do companheiro de equipe.

Nas primeiras quatro etapas Prost disparou na tabela, foram três vitórias contra uma do brasileiro. Dali em diante a disputa, que até então era pacífica entre eles, voltaria a se equilibrar, com Senna vencendo 6 das próximas 7 corridas, e ficando 3 pontos à frente do francês.

O fim do campeonato todos nós conhecemos, Senna venceu em Suzuka na penúltima etapa e faturou o seu primeiro título. Nessa temporada uma amostra do que veríamos nos anos seguintes aconteceu em Estoril, Portugal, na 13ª etapa da prova. Prost tentou passar Senna por dentro, o brasileiro forçou o francês a passar raspando no muro dos pits, com isso o bicampeão manobrou e fez a ultrapassagem por fora, deixando Ayrton pra trás e gerando a primeira "pendência" entre eles.

Em 1989 fizeram um acordo informal que dizia que não haveria briga entre eles na primeira curva das corridas, cada um seguiria sua trajetória, sem interferir na trajetória do outro. Senna largou na pole e manteve a posição, só que na 4ª volta aconteceu o acidente de Berger na Tamburello, a mesma que vitimaria Ayrton 5 anos depois, e a corrida foi interrompida. Na relargada Prost se deu melhor, mas Senna forçou a barra para ultrapassá-lo, quebrando o acordo. Alain reclamou com o time depois, mas o brasileiro alegou que ali não era mais a largada, era a relargada, portanto o acordo não valia para aquele momento. Pronto... a rivalidade ganhava o ingrediente que faltava para pegar fogo!

A temporada transcorreu com os pilotos sem se falar. Senna queria ganhar de Prost que queria ganhar de Senna, não importava se a briga era pela 1ª ou pela 20ª posição, o que importava era não terminar atrás do outro.
Os primeiros passos na McLaren, a decisão de 89,
a de 90 e o último pódio em 1993

Veio Suzuka, penúltima etapa da temporada, e Senna precisava da vitória para adiar a decisão para o GP da Austrália. Com muito mais gás, o brasileiro partiu pro ataque e faltando 6 pontos ele forçou a ultrapassagem na chicane, Prost jogou o carro pra cima do então campeão e impediu que ambos completassem a sequencia de curvas. O francês saiu do carro, mas o brasileiro voltou à prova com a ajuda dos fiscais e venceu a corrida (clique no link para a história completa), mas foi desclassificado depois.

Em 90, com Prost já na Ferrari, Senna jogou o carro pra cima do francês já na largada, na mesma etapa de Suzuka, e comemorou o bicampeonato. Em 91 Ayrton não deu chances para Prost, que terminou a temporada apenas na 5ª colocação e anunciou que não correria em 92, após ser demitido pela Ferrari.

O ano de 1992 foi um ano sabático na disputa, Mansell foi campeão com sobras e quebrando vários recordes, Senna parecia sentir falta do seu maior incentivo, a presença de Prost no grid. Com isso terminou a temporada apenas na 4ª colocação, ficando atrás dos dois carros da Williams voadora e do garoto-revelação-polêmico Michael Schumacher.

Com a saída do Leão para a Fórmula Indy em 1993, os serviços de Prost foram requisitados pela Williams, e o professor viu no carro uma possibilidade única de "humilhar" o brasileiro na temporada, já que seu carro era extremamente superior. Do meio da temporada pra frente, depois de boas brigas nas primeiras etapas, prevaleceu a estabilidade da Williams e Alain conquistaria seu 4º título mundial.



Frank Williams resolve contratar Ayrton Senna para a temporada de 94, os melhores pilotos no melhor carro, mas o francês resolve não reviver a rivalidade e se aposenta de vez. Do GP da Austrália de 1993 em diante os dois se aproximam, no dia 1º de maio de 1994, o dia da morte de Ayrton Senna, Prost está no motorhome da Renault e Senna chega para conversar, uma surpresa para todos. minutos depois o francês vista o brasileiro nos boxes da Williams e esse seria o último contato entre os dois maiores rivais da história da Fórmula 1.

Aqui um link com uma ótima entrevista do tetracampeão que foi concedida qautro anos após a morte de Ayrton.

Nessa história não existe vilão e nem mocinho, existem dois grandes pilotos, dois dos maiores da história, e que fizeram com que muitos se apaixonassem pelo automobilismo.

Amanhã tem mais...

Fui!
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...