sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Pedir "desafio" no futebol, será que funciona?

Fala galera!

Hoje mais cedo estava assistindo a um programa esportivo na hora do almoço (sem merchan aqui!) com meu pai e estávamos vendo o que aconteceu nos jogos da Copa do Brasil, na quarta-feira. Estávamos revendo os melhores momentos e comentamos sobre o lance do jogo do Cruzeiro, onde Júlio Baptista fez um gol em posição legal, mas foi assinalado impedimento. O gol daria ao Cruzeiro, naquele momento, uma vantagem por 2 a 0 sobre o Santos, relativamente tranquila para o jogo da volta.

Já estamos cansados de ver erros de arbitragem e sabemos que isso já virou algo tácito de uma partida. Dificilmente você assistirá uma partida onde sua interpretação confrontará com a do árbitro. Seja num lance de falta, seja num possível cartão amarelo ou vermelho, seja num lance onde a bola saiu ou não saiu. Ainda mais se nosso time estiver em campo, temos a tendência de sermos menos imparciais ainda. Erros de arbitragem são comuns e uma partida é pura interpretação, por isso temos a figura do juiz. Se não fosse, não precisaríamos tê-los em campo.

Bem, e o que isso tem a ver? Na verdade, meu pai e eu discutimos sobre como poderiam ser evitados os erros mais fatais, mais agudos. São os casos de gols legais, mas anulados por impedimento. Ou então chutes onde a bola quica dentro do gol, próximo da linha, mas os gols não são validados. Infelizmente, se formos deixar isso apenas a cargo dos árbitros e auxiliares, estamos carecas de saber que não funciona. No Campeonato Carioca, por exemplo, temos mais dois auxiliares (um do lado de cada gol) e mesmo assim erros escandalosos continuam acontecendo.

Foi aí que pensamos no tal do "desafio", que já faz parte da regra de alguns esportes, como o vôlei e o tênis, pra citarmos os mais famosos. No tênis, por exemplo, se você acha que uma bola dada como boa foi fora (ou vice-versa), basta pedir para que o juiz revise o lance e pronto. Cada tenista tem direito a um número determinado de desafios por sets, o que eu acho justo, para que eles não abusem desse "benefício". No vôlei, a situação é semelhante. E muitos jogos são decididos e têm suas histórias mudadas graças a esses pedidos de desafio.

Será que funcionaria no futebol? Se cada técnico tivesse direito a um desafio por tempo (ou por jogo, não sei). Num lance duvidoso de impedimento, por exemplo, o auxiliar seria instruído a deixar o jogo rolar. Caso fosse gol, o técnico adversário teria a chance de pedir o desafio. O mesmo serviria para um chute ou uma cobrança de falta onde a bola bate no travessão e quica perto da linha, gerando dúvida se entrou ou não. Uma equipe com uma televisão e acesso às câmeras de gravação dos estádios já seria o suficiente para tirar quaisquer dúvida. Como empecilho, existe o custo extra de pagar os equipamentos, profissionais e logística. Além disso, causaria um "intervalo" de cerca de um minuto durante o jogo, com os nervos a flor da pele.

Eu não sei, acho que dificilmente isso acontecerá um dia, mas acho que seria de grande utilidade. Já ficou chato ver erros drásticos de arbitragem em todos os jogos. E isso acontece sempre, em todas as ligas, em todos os países. Com certeza, muita gente acha que "hoje erra contra, amanhã erra favor e tá tudo certo". Mas não sei, é duro ver um trabalho de um ano de uma equipe com a possibilidade de ir por água abaixo por causa de um erro humano, que poderia ser evitado (ou, pelo menos, corrigido). Este com certeza é um assunto bem polêmico e ouso dizer que se levantássemos uma enquete, o resultado seria próximo do meio a meio.

Perdemos em emoção, ganhamos em justiça.

Até a próxima!
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...