quarta-feira, 17 de setembro de 2014

A redenção de Diego Costa

Fala galera! Ano passado Diego Costa se tornou um dos personagens que mais destaque ganhou aqui no Resenha Esportiva, seja por sua performance em campo ou pelo processo de naturalização. No fim das contas ele escolheu pela Fúria e veio ao Brasil disputar a Copa do Mundo.

Durante o Mundial mais polêmica rodeou o sergipano da cidade de Lagarto. Com uma lesão na coxa direita, Diego esteve ameaçado de não ser convocado para a Copa, mas Del Bosque, o treinador espanhol, apostou na recuperação do atleta e o trouxe ao país.

A torcida não o perdoou, como se fosse regra, todas as vezes que o nome de Diego era falado ou que ele tocava na bola, os estádios soltavam uma vaia em uníssono. A eliminação espanhola na primeira fase teve um gostinho especial para os torcedores canarinhos, uma espécie de vingança contra Diego, uma vingança contra um profissional que buscava o sucesso onde haviam lhe dado a oportunidade para isso.

Morando desde 2006 na Europa e desde 2007 atuando na Espanha, não haviam mais fronteiras para sua opção de defender a atual bicampeã européia. A autorização da Fifa é questionável ao ponto de que o atacante já havia atuado, mesmo que por poucos minutos, pela Seleção Brasileira, mas é justa do ponto de vista profissional.

Ajudou a levar o Atlético de Madrid à final da Liga dos Campeões, feito que não acontecia desde 1974, quando os Colchoneros perderam para o Bayern. Foi o terceiro artilheiro do Campeonato Espanhol, ficando apenas três gols atrás de Cristiano Ronaldo, nessa competição o Atlético faturou o título que não vinha desde 96.

Com todas essa credenciais ele chamou a atenção de José Mourinho, ex-rival e hoje treinando o Chelsea, da Inglaterra. Por uma bagatela de cerca de R$ 120 milhões, Diego desembarcou em Londres para defender os Bleus.

Mais uma vez ele era questionado. Será que fora do esquema montado por Simeone ele funcionaria?

Em apenas 4 rodadas parece que não existem mais dúvidas. O brasileiro (ou espanhol, como queiram) já balançou as redes em 7 oportunidades, se tornando o primeiro jogador da história a marcar 7 gols nas primeiras 4 partidas da Premier League. Ele já abre 4 gols de vantagem sobre o segundo colocado do quadro de artilheiros, e se depender da performance do Chelsea, dificilmente ele perderá tal status.

O clube azul é o único com 100% de aproveitamento até agora, além de ter o melhor ataque, com 15 gols marcados, média de 3,75 por jogo.

Hoje o Chelsea recebe o Schalke na primeira partida da Liga dos Campeões, Diego já anotou 12 gols na história das competições europeias, 7 deles na Liga do ano passado. Essa conta pode aumentar. Não se assustem se em alguns meses o nome de Diego comece a ser lembrado para a disputa do prêmio de melhor jogador do mundo, afinal, os gols marcados pesam muito nessa decisão, e da forma como vem jogando, com o time que Mourinho montou, há uma grande possibilidade do Chelsea ser o papão da temporada.

Ou vocês ainda duvidam do potencial de Diego?

Fui!
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Um comentário:

  1. Olá, Luiz! A camisa azul caiu bem pra ele. Ninguém faz sucesso por acaso. E ainda, o brasileiro, é recalcado por natureza. www.euvistoacamisadogalo.com.br

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...