quinta-feira, 24 de julho de 2014

Renovação do futebol brasileiro. Será?

Às vezes eu me pergunto se o futebol brasileiro vive em duas realidades paralelas. Por um lado, assistimos no noticiário as novidades sobre a Seleção Brasileira. Cada vez mais mais é cobrada a tão famigerada renovação. Não simplesmente de treinadores ou jogadores, mas renovação da mentalidade, da forma de gerenciar e liderar o destino do nosso maior patrimônio cultural.
Low:
olhar no futuro

Mas, por outro lado, ainda não vejo a mesma corrente cobrando essas mudanças em relação aos clubes. Apesar de casos isolados, como Tite no Corinthians, ou Abel Braga no Fluminense, é sempre muito comum vermos casos esdrúxulos como a demissão de Ney Franco do Flamengo com apenas 7 jogos à frente da equipe. Eu ainda tive o desprazer de ouvir o comentário de um jornalista dizendo que a demissão era esperada depois do fraco desempenho nesses pouco mais de 2 meses de trabalho.
Ney Franco:
voltar para trás

Até concordo que depois desses 7 jogos sem vitória, com 4 derrotas e 3 empates, era necessária uma chacoalhada, mas convenhamos... Dizer que 2 meses de trabalho foi razoável em um ano em que os clubes ficaram sem partidas oficiais por mais de 1 mês por conta da Copa do Mundo é no mínimo querer debochar da inteligência dos torcedores. Os mesmos que dizem que a Alemanha fez muito bem quando optou em dar prosseguimento ao trabalhos de Joachim Low mesmo após 2 Mundiais sem vitórias agora vêm a público execrar Ney Franco.

Como eu disse, não quero entrar no mérito da qualidade do trabalho nem no desempenho da equipe nos últimos embates. Mas das duas, uma: ou ainda temos o complexo de vira-latas e pensamos que tudo que é de fora é superior e tudo que é nosso é inferior; ou tem gente vivendo em trânsito em dois universos paralelos.
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Um comentário:

  1. Realmente temos essa idéia de que o que vem de fora é sempre melhor, desde que a crítica parta da gente. Mas colocar o Ney Franco nessa situação é no mínimo exagerado... como você bem disse, ter 2 meses para fazer alguma coisa (1 mês só treinando) e não conseguir colocar um time pra jogar, não conseguir MONTAR UM PADRÃO PARA O TIME, é totalmente inaceitável!!!

    O certo era ele nem ter ido para o Flamengo, mas já que foi, necessitava de resultado, e não só dentro de campo, mas fora dele.

    Em 7 jogos ele não conseguiu repetir a escalação uma vez sequer... e nem foi por lesões ou suspensões, foi porque estava perdido realmente... passou esse 1 mês de Copa treinando com um time, com determinados jogadores, quando chega no primeiro jogo pós-Copa ele entra com um time totalmente diferente!!! Inclusive com uma formação que pouco foi treinada...

    Insistir em Ney Franco não era questão de renovar os conceitos, era questão de insistir no erro de sua contratação...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...