quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Double

Fala galera! O Australian Open está pegando fogo! Os jogos de simples estão cada dia melhores, e os do torneio de dupla não estão ficando pra trás também não. O jogo de duplas não chega a ser tão atraente para o espectador, temos poucos rallys, mas o Brasil vem se destacando cada dia mais nessa disputa.

Me recordo que o Brasil sempre entrava com um ponto garantido na Copa Davis, era justamente no confronto dos duplistas Jaime Oncins e Gustavo Kuerten. Era osso ganhar dos encaracolados.

O ranking tem duas classificações, uma onde o jogador marca pontos individualmente, e não serve pra absolutamente nada, na outra as duplas computam os pontos, então vamos imaginar que Bruno Soares faz dupla com Marcelo Melo, em um determinado torneio ele joga com André Sá, os pontos individuais são somados em todos os torneios, mas em se tratando de dupla "feita", Bruno teria duas classificações, uma com cada parceiro.


Soares e Melo, campeões na Suécia em 2012
Foto: Reuters
E aí é que eu fico decepcionado com os brasileiros. Hoje temos Marcelo Melo como nº 17 do mundo e Bruno é o nº 19, temos dois "Top 20", fantástico! Só que quando vamos falar de sucesso nas duplas, manter o mesmo parceiro é fundamental. Os irmão Bryan são exemplo disso, assim como Leander Paes e Radek Stepanek, que formam uma parceria de sucesso. Marcel Granollers e Marc Lopez, a dupla espanhola cabeça de chave 3, pode ser considerada uma duradoura também.

Mas voltando ao Brasil... porque Bruno Soares, Marcelo Melo e André Sá não fecham com nenhum parceiro fixo? Como exemplo vamos pegar 2013, que acabou de começar. Bruno foi campeão em Colin Fleming em Auckland, mas no Australian Open já está jogando com Alexander Peya, que formou boas parcerias com ele em 2012. Já Melo venceu com Tommy Robredo o ATP de Brisbane, e agora teve Ivan Dodig como parceiro no Grand Slam.

Porque não formar uma dupla vencedora com alguém? Mais que isso... porque não formar uma dupla brasileira vencedora?! Porque não Bruno Soares e Marcelo Melo jogando juntos, treinando também para a Copa Davis?

Vejo potencial nos dois para isso, potencial inclusive pra formar uma dupla Top 8, que dispute o ATP Finals todos os anos. Mas para isso precisam de sequencia.

Mas parece que só eles e a CBT que não enxergam isso...

Fui!

OBS.: Se curtiu o texto, curte nossa Fan Page: www.facebook.com/ResenhaEsportiva
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

2 comentários:

  1. Acho que a CBT tem problemas sérios.

    Mas a verdade é que no Brasil você sabe como é né, talvez nunca tenhamos outro Guga e em duplas então fica ainda mais difícil.

    ResponderExcluir
  2. Olá turma do Resenha Esportiva,

    Meu nome é Humberto Alves, sou gerente de afiliados do www.apostasonline.com e gostaria de lhes fazer uma proposta.

    Como não consegui encontrar nenhuma área para contato, poderiam me enviar um email para afiliados [arroba] apostasonline.com para darmos continuidade a negociação?

    Grande abraço

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...