domingo, 12 de fevereiro de 2012

Valeu Rubinho

Fala galera! Fim de papo na F1, todas as cadeiras para 2012 estão ocupadas, e como prometido vamos homenagear um dos maiores pilotos brasileiros de todos os tempos: Rubens Barrichello.

Rubinho não foi campeão, é questionado por muitos brasileiros, mas goza de um carisma espetacular tanto na imprensa especializada quanto no mundo da F1 (pilotos, dirigentes e mecânicos). Em seu currículo estão as equipes Jordan, Stewart, Ferrari, Honda, Brawn e por último uma já decadente Williams. Viveu seus melhores momentos na Ferrari, ao lado do multicampeão Michael Schumacher, onde por diversas vezes fazia a vez de segundo piloto e dava ao alemão a vitória, o que não quer dizer que o Schumi só vencia por isso, claro que não, foi o melhor depois de Senna, disparado, e possuía um carro praticamente imbatível a ponto de mudarem as regras “do jogo” na tentativa de equilibrar as forças.

Fonte: imagensdeposito.com
E Rubinho saiu da equipe italiana, depois de terminar duas vezes como segundo colocado no campeonato e uma vez em terceiro. Depois de conseguir 9 vitórias e 54 pódios, depois de 6 temporadas.

Viveu outro bom momento no único ano da equipe Brawn, quando seu companheiro Jenson Button conquistou o título e ele ficou com a terceira colocação.

Ao todo foram 323 largadas (recorde absoluto da F1), 11 vitórias, 14 poles e 68 pódios.  É o 7º maior pontuador da história e o 5º piloto a subir mais vezes no pódio.

A única coisa que lhe faltou foi o título, só assim ele cairia nos braços da torcida, mas de qualquer forma, pra mim foi um dos melhores da história brasileira, e os números comprovam. A não ser que alguém venha me falar que o já campeão Damon Hill pilotava mais que ele... não né? Então Rubinho foi sim um dos maiores pilotos brasileiros de todos os tempos!

Valeu Rubinho!

Fui!
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

2 comentários:

  1. Fez história na F-1. Os 'do contra' tem que aceitar isso.

    Só acho que ele perdeu uma grande chance na Brawn e uma oportunidade incrível de mudar o curso da história esportiva não dando passagem para o Schumacher ..... mesmo assim valeu.

    Valeu Rubinho !!

    ResponderExcluir
  2. @Net Esportes
    Realmente o ano da Brawn foi o ano de ouro dele, era a chance da carreira. Acho que o início da temporada prejudicou muito, pois nem saber se iria correr ele sabia, depois veio a crise que culminou com a venda da Honda.

    Sobre a ultrapassagem do Schumacher acho que ele fez bem em deixar para o final, em outras corridas ele tinha feito o mesmo em outras situações de prova, dessa vez ele quis mostrar ao mundo o que se passava na Ferrari.

    É uma pena ele não ter sido campeão, um grande piloto.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...